Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Experimentalista

Um blog onde exponho publicamente as pipas de massa que já gastei, dividindo-as em "bem empregues" e "desgostos"

02
Jan17

E venha de lá esse 2017

Sarah

Há muito (mas mesmo muito) tempo que eu não entrava num ano novo com tamanha fé nos dias que se avizinham. Não que eu tenha imensos projectos na calha ou que me tencione vir a tornar a nova pipoca blogosféria mas há qualquer coisa em 2017 que me deixa genuinamente feliz. Feliz....um sentimento que me tem sido estranho nos últimos anos.

Este 2017 já começou bem: num casamento. Não há festa que eu goste mais do que casamentos. Sou assim, uma romântica, criada pela Disney, potencial bridezilla, o que querem que faça? E não meus queridos, não venho de uma casa feliz onde "viveram felizes para sempre" e onde uma rapariga pode seguir o exemplo, contudo, não tenho que repudiar o conceito de casamento, de união de duas pessoas. Se casar fosse assim tão mau e obsoleto, acham que andava meio mundo a lutar pelo direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, enquanto a outra metade do mundo "já com direitos", se divorcia? Perdoem a visão romantizada que se calhar ainda tenho da coisa mas, no mundo dos adultos, é-nos dados muito pouco espaço a romances, não poderemos nós, individualmente, ter o nosso nicho?

A festa ia bonita, o noivo chorou ao ver a noiva entrar e eu, fungava e continha as lágrimas. Partimos para as fotos, o buffet, abre-se a pista e corta-se o bolo. E eis que chega, o momento da noite: o atirar do ramo da noiva. 

Enquadramento: eu já fui a mais casamentos do que uma wedding planner em início de carreira. Dos 2 aos 12 anos contabilizo 12 e, daí por diante até aos 29, já foram mais 4, com mais um prometido para 2017. Eu já participei de perto na organização de dois casamentos e já tive tarefas distintas em outros tantos, ou seja, eu sou uma self made bride, que é como diz, eu já tenho o meu casório planeado: haja dinheiro! E em nenhum dos casamentos, apanhei a raça do ramo, zero. Tinha que ser mesmo na passagem de ano? Com toda a gente a fazer rezas e bonecas de voodoo para eu apanhar as florzinhas com asas? Tinha eu que ser maior dos que as restantes solteiras e, assim, roubar-lhes a probabilidade de colocarem o respectivo a correr rua a baixo (como o Querido fez)?

Mas sabem que mais? Gostei tanto mas tanto de ter apanhado o ramo! O meu lado cor-de-rosa veio ao cima, fiquei corada como um tomate maduro e dei por mim aos saltinhos. Quase me tornei numa gaja, até sair a correr atrás do Querido e o ter apanhado como o Bolt apanha medalhas de ouro. 

Se me vou casar em breve? Não sei. Se vou ser uma noiva louca? Não sei, mas forreta sei que serei. Se vou viver feliz para sempre? Também não sei mas, tentar não custa.

E agora em relação a 2017........começou também com fogos-de-artifício (que adoro!!!), com champanhe e muitos beijos e abraços. Começou com um vestido vermelho (agora em saldos na ZARA) e um xaile de 1975, vindo da Rússia. Começou com um imenso desejo de ser feliz, acima de tudo feliz. Com um sonho de carreira que quero que comece este ano e com a ambição de ganhar segurança, chão debaixo dos pés.

Começou também com uma lista interminável de sítios onde quero ir e de experiências pelas quais quero passar. Começou com muita fé, uma fé que eu espero que não me abandone com o passar dos meses.

Não faço uma lista de desejos porque sei que há coisas que só desejar não chega (ser modelo da VS, por exemplo) mas faço uma lista de ambições, já que para mim, ambição não é algo que veja como negativo, desde que não se mate ninguém pelo caminho, claro. 

Quanto ao blog? Gosto cada vez mais disto e prometo ser-lhe mais dedicada, acima de tudo, por respeito aos que me lêem.

 

E venha de lá esse ano que eu espero-o de braços abertos.

 

Sarah

4 comentários

Comentódromo