Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Experimentalista

Um blog onde exponho publicamente as pipas de massa que já gastei, dividindo-as em "bem empregues" e "desgostos"

09
Fev17

Experimentalista Visitou: Taverna Antiqua, Tomar

Sarah

Lembro-me de, aos 19 anos, criticar os "adultos" e a sua adoração pela comida, que os fazia andar largos km´s para irem comer uma coisa específica. "Isso come-se em qualquer lado!" dizia eu, inocente, adolescente, a contar as calorias da fatia de queijo e do sumo de laranja. Até que cheguei aos 29.

Pois, e o que me fizeram os 29? Pegar no Querido e num casal amigo e vamos todos a Tomar para almoçar! Até rimou. O convite partiu da amiga, a maior viciada em comida que conheço (ela faz umas 128262424 dietas por mês mas nunca emagreçe) e lá foram eles, rumo à Taverna Atiqua: um local que prometia uma refeição como as da idade média e que a amiga dizia ser divinal!

Primeiro ponto: eu e ela até aos nossos funerais vamos chegar atrasadas e, para uma reserva feita para as 14h00, chegámos ás 14h20.

Segundo ponto: Tomar fica mais longe do que eu pensava (saímos de Lisboa).

Terceiro ponto: pedimos o almoço a meio do caminho sob risco de não servirem à hora a que chegaríamos.

Chegados ao local (na Praça da República, 24) demos de caras com uma entrada fiel ao conceito e À qual eu, uma engraçada, decidi reagir dizendo "ai que giro! O Robin Hood e o Xerife também vêm?".

A foto não é minha, retirei da internet, e mesmo da refeição não consegui captar nada pela escuridão que está lá dentro. 

A comida:

Fomos recebidos por um jovem simpático, vestido com roupas típicas daqueles tempos, e que nos encaminhou para a nossa mesa. Lá dentro está mesmo muito escuro tanto que, até os olhos se habituarem, andamos aos apalpões, não vá uma pessoa tropeçar num javali ou num arqueiro de sua majestade. 

Já sentados, colocaram-nos um couvert com manteiga, pão e azeitonas em cima da mesa e uma tábua de queijos. A tábua achei-a um pouco fraca, esperava queijos a sério e até mesmo doces de compota a acompanhar, mas apenas vinham uns queijinhos fatiados e umas fatias de salame e chourição. Eram saborosos mas não é esse o meu conceito de tábua de queijos e o resto da mesa concordou.

Para beber pedimos cada um sua caneca de cerveja de trigo e era maravilhosa! E eu não sou grande apreciadora de cerveja mas esta era muito suave, sem o agro da cerveja normal. Dizem que a Sagres Bohemia de trigo sabe ao mesmo. E eis que chegam os pratos: pedimos uma empada de caça com salada e puré de maçã (o meu), um pernil com couve salteada com broa e batata (o do Querido), um bife da vazia com cebola caramelizada em doce de frutos vermelhos (DIVINO!) e o pato confitado para o namorado da amiga. De todos, como já devem ter percebido, o melhor foi o da amiga: o bife estava no ponto e a cebola confitada estava perfeita logo, no geral, a qualidade valeu a pena a ida a Tomar (nem que seja pelo passeio).

No fim, eu dividi a sobremesa com o Querido e comemos uma tarte de requeijão com frutos do bosque (boa mas com a massa um pouco seca) e a amiga comeu um abade de priscos, que não achou muito doce. 

ps.- todos provámos o abade de priscos e até nos apeteceu esfregar um limão na língua de tão doce! 

Ao todo pagámos cerca de 94€ e sentimos que valeu a pena a experiência.

O Espaço:

Agora, falta falar das peculiaridades do sitio:

1- não há iluminação para além das velas em cima da mesa. Se por um lado da um ambiente romântico, por outro, não vemos muito bem o que estamos a comer, daí a aventura que foi para o Querido: um inspector da ASAE wannabe.

2-A decoração é fiel à época, com as canecas e as loiças em barro, a mesa e os bancos de madeira tosca, cobertos com uma pele de cabra. Nas paredes vemos daqueles suportes para as tochas e uns pergaminhos com uma coisas escritas. O chão e as paredes são em pedra tosca mas tudo está limpo e sem os cheiros que deviam existir no século XIV.

3- A casa de banho: Ela avisou-me que era estranha, diferente pelo menos, mas nunca pensei. É toda forrada a madeira, de cima a baixo! A sanita é em madeira, as paredes em madeira, tudo é madeira! Ah e têm um contrapeso do lado de dentro da porta que parece a cabeça de um enforcado.....medo. Mas está limpo. 

 

De resto, fomos ao castelo de Tomar, tirámos a foto da praxe e guardámos mais uma tarde para recordar.

Recomendo a visita e deixo o endereço do tripadvisor para matarem a curiosidade.

Sarah