Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Qua | 08.03.17

Não entendo o dia da Mulher

Sarah

Não entendo, nunca entendi e não sei se algum dia vou entender o Dia da Mulher. Apenas porque eu sou mulher todos os dias, não apenas a cada dia 8 de março, ano após ano. Também não entendo o dia da mulher, o 8 de março, como o dia em que temos descontos em lojas de maquilhagem, cabeleireiros ou nos dão flores no café. A mim, sinceramente, dava-me muito mais jeito um desconto em pneus que sou eu que trato do MEU carro e o rapaz já merecia uns sapatos novos. 

Também não entendo o dia da mulher, o 8 de março, como um dia em que devemos ser todas muito mais amigas e queridas umas com as outras. Até porque, o dia da mulher, o 8 de março, o primeiro 8 de março, marcou o dia em que 130 operárias de uma fábrica têxtil morreram queimadas dentro da fábrica por, imagine-se!, estavam em manifestação, pedindo melhores condições de trabalho e salários mais justos. Não, para quem não sabe, não foi um acidente: elas foram deliberadamente trancadas dentro daquela fábrica. Por quem? Pelo seu patrão, macho americano, pai de família e temente a Deus. 

Mas também não tendo o Dia da Mulher porque, ainda hoje, uma mulher indiana pode ser morta em praça pública pelo pai, marido ou irmão se este achar que ela está em pecado ou a envergonhar a família. Não entendo o Dia da Mulher quando, um pouco por todo o mundo, casam meninas de 9 ou 10 anos com um homem com idade para ser seu avô, tudo porque casar com uma mulher jovem dá saúde e vitalidade ao marido. Não entendo o dia da mulher porque se eu sair à rua com uma mini saia e um decote sou uma porca, uma ordinária, até mesmo aos olhos das outras mulheres. E não entendo o Dia da Mulher porque quem cria os maxistas não são os homens mas as mulheres, as que os pariram, ao prepetuarem o culto ao "Isso são coisas de mulher que o meu filho não faz!". Não entendo o Dia da Mulher porque o facto de anatomicamente poder gerar filhos faz com que tenha menos probabilidades de ser contratada, se concorrer com um homem, ganharei menos, se concorrer com um homem, e verei o meu posto trabalho mais ameaçado, se concorrer com um homem.

Não entendo o dia da mulher porque a minha mãe foi sindicalista e não andou com florzinhas e postagens no Facebook a dizer "vamos todas unir-nos!". Isto porque a minha mãe, ia para a rua, não trabalhava, dava a cara, o corpo e o ordenado ás balas para que ela e as colegas tivessem direito a um direito que devia ser universal: ficar em casa com os nossos bebés. E valeu tanto, mas tanto a pena pois se o meu irmão mais velho teve a mãe com ele em casa um mísero mês, eu, uma sortuda, gozei do colo da minha mãe até aos 2 anos. Tudo porque ela foi à luta. 

E, acima de tudo, não entendo nem nunca vou entender o Dia da Mulher enquanto ele tiver que existir, enquanto um deputado eleito disser que somos mais fracas e mais burras que os homens, ou, enquanto um presidente de um país disser que nos deve agarrar na pussy, que é disso que uma gaja gosta. Não me falem de feminismo e luta pela igualdade de género enquanto eu, mulher, não sentir que para a minha sociedade valho tanto como um homem. Não quero valer mais, apenas quero valer o mesmo.

As 130 senhoras que morreram há 106 tapariam a cara de vergonha com os "feminismos" que vou vendo por aí....se querem ver o que era ser mulher nesta altura, vejam o "Sufragistas" e depois falamos de feminismo e direitos das mulheres.

Sarah

 

 

5 comentários

Comentar post