Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Sex | 22.04.16

Purple God

Sarah

2016 está para a morte de grandes artistas como o século XX está para as Guerras: é uns atrás dos outros.

Estava eu na passadeira do ginásio (coisa só por si já bastante sofrida) quando na tv aparece, em letras garrafais "Prince morreu". Fora o esbardalhanço que ia ando, esbardalhei-me por dentro. 

Eu quase que fui criada pela VH1. Foi a minha companhia durante tardes infinitas e juro que não houve uma dessas tardes em que um dos seus videoclips não passasse. Desde o "sexy motherfucker" (que eu ouvia sem som porque sabia que sexy e motherfucker não eram coisas boas) ao "Purple Rain" ou o "The Most Beautiful Girl in the World" (o meu favorito até hoje), este tipo viu-me crescer tendo sido para mim uma espécie de tio maluco com quem a nossa mãe não nos quer deixar. 

Ele foi irreverente ainda a Gaga apenas comia os bifes e não os vestia; eles fez videoclips arrojados ainda a J-Lo andava de rabo tapado; ele elogia as mulheres e o género feminino (assumindo-se várias vezes um sem género) ainda o Adam Lambert não sabia o que era o eyliner. E fora toda a sua imagem muito marcante e vincada, havia nele aquilo que nos faz admirar um artista: o seu talento. Ele compunha, musicava e cantava as suas músicas e fazia-o para os outros artistas. Tinha a sua imagem, o seu som e o seu ideal e desde sempre batalhou contra a "normalização" para agradar a todos. Ele agradava a quem queria e não a quem queria ser agradado por ele e isso é das coisas que mais admiro numa pessoa. 

Sabem que podia estar aqui a fazer um post de 3h sobre o Prince, os seus álbuns e o som marcado que nos deixará para sempre mas quem gosta do Prince, sabe que tudo isto seria desnecessário.

Este ano, à velocidade que o ícones vão caindo, o melhor festival de verão vai ser lá em Cima. Já sabia que Deus tinha bom ouvido, mas este ano, ele está excepcional.

Deixo-vos o halftime da Superbowl, protagonizado por ele em 2007. 

 

19484285_ZILgL.jpeg

Sarah