Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Ter | 24.01.17

Só se estraga uma casa #12

Sarah

A querida sogra, uma excelente senhora, criou o querido filho como um príncipezinho: nada de por o menino a levantar pratos, a fazer a cama ou a ajudar NO QUE FOSSE em casa. Ali, o pequeno apenas teria que sujar e alguém limparia, apenas teria que respirar e todos os seus desejos seriam concretizados. Felizmente, para sorte dele e futuro da relação, o tipo faz-se e ajuda-me em tudo em casa, já sem ser preciso pedir: ele ouve a máquina da roupa a apitar e vai estender; vê que juntámos uma pilha de loiça e lava-a ou coloca-a na máquina; ajuda-me a fazer a cama todas as manhãs ou, se eu saio muito antes, faz ele sozinho. Adenda: Em relação à cama não me venham com merdas: a casa NUNCA está arrumada se a cama estiver por fazer.

Se ele não fosse assim e apenas defendesse o modelo "mamã" nem me atreveria a morar com ele que, criada, nem dos paridos por mim tenciono ser quanto mais de um homem adulto. Contudo, há uma coisa nele que me irrita profundamente: não descasca fruta. Só come fruta se esta lhe vier parar ás mãos, só a precisar de ser comida. A sorte dele, ou como o Universo é imensamente sábio, é que eu gosto de estar a descascar fruta! No fim da refeição fico ali, de faquinha na mão, a descascar a fruta.....enquanto ele está em modo foca do circo de boca aberta. Somos, pode-se assim dizer, duas quase-metades de mesma laranja. 

Mas, apara além de querer a fruta cortada, ai dele e de mim que se veja qualquer indício de podridão/mancha/marca de crescimento/pozinho de fruta, na peça que ele vai comer. A cena a seguir relatada tem episódios de violência  abuso físico de um homem adulto:

 

Sarah descasca uma pêra. Querido come a pêra enquanto vê tv. Sarah tira um pedaço de casca que cresceu para dentro, deixando um buraquinho na pêra:

Q- NÃO QUERO ESSA!

S- Mas....é o último pedaço de pêra e não estava estragada! Foi só casca, vês?

Q- Não queroooooo! Tá podre!

S-.....segura isto. Ainda vou arranjar a minha. Come

Q- tá podre

S- Se eu for aí vais comê-la à mesma mas vai doer mais um bocadinho do que se o fizeres de livre vontade.

Querido em modo criança de 3 anos - Nãaaaaaaaaaao

Levanto-me, vou ao pé dele e começo uma dança, quase kung fu da fruta, tentando que o adulto de 36 anos abra a boca e coma a pêra. Estivemos 5 minutos naquilo: ora eu dava um movimento ninja e ficava perto da boca; ora ele se desviava, qual bola rematada pelo Sporting à baliza do adversário (eu sou do sporting ok?); mas cá entrar a pêra tá quieto.

Por fim, ele tapa a boca com a mão e eu faço uso da técnica milenar, exercida por mães e pais de todo mundo, em miúdos maus para comer: tapo-lhe o nariz. Abriu a boca.

Aproximo-me do seu ouvido e digo-lhe baixinho:

S- se fiz isto a um homem adulto, imagina a um miúdo de 3 anos.

Q- Vou tão ser o pai fixe!

S- Alguém tem que os educar. Sacrifico-me eu.

Q-Eu ensino a comerem tudo com casca. Bananas e tudo!

 

Resumo:

1- Depois destes momentos fica difícil demonstrar tensão sexual para com ele sem sentir que estou a roçar a pedofilia;

2-Ficou 10 minutos com uma bochecha de pêra;

3-Já não comi a minha porque a risada era tal que me ia saltando a lasanha;

4-Os leitores deste blog vão, certamente, diminuir em catadupa depois deste relato.

 

Haja tomates para tanto drama com fruta....

 

Sarah

17 comentários

Comentar post