Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

Experimentalista

Um guia, uma ideia, uma sugestão, ou apenas um sítio onde vir dar um passeio

13.07.17

Erro médico: a confiança cega e o direito à contestação

Sarah
Ando há quase um ano para escrever este post. Já pensei que nunca o faria, já me questionei sobre a sua relevância, se poderia ajudar alguém, se poderia dar força a alguém para contestar uma opinião médica.  Atenção: a última coisa que pretendo com este texto é partir para uma guerra médica com os profissionais de saúde e com o seu imprescindível papel na sociedade! Contudo, a crença cega que temos na opinião médica e no seu diagnóstico pode causar-nos problemas, (...)
14.10.16

Direito à 2ª opinião: Diagnóstico Médico

Sarah
Eu nasci de uma mãe sindicalista e com problemas de saúde desde uma idade em que ninguém devia estar doente. O resultado, foi eu, desde cedo, ter sido confrontada com o direito de questão e dúvida em relação ao diagnóstico médico. A minha mãe pergunta para que servem os medicamentos e a que lhe vão fazer mal, pergunta se aquela dose não será demasiado elevada e recusa-se a tomar coisas que lhe vão fazer mais mal do que bem. É assim o "terror" de muitos médicos mas o (...)
07.07.16

Eu não tenho coração para isto.....

Sarah
O dia de ontem passou demasiado rápido. Sinto-me como quando apanhamos uma valente bebedeira na festa de outra pessoa: sabemos que aconteceram montes de coisas, que foi tudo super emotivo e, ainda assim, metade passou-te ao lado e agora tens apenas flashes na tua memória.  Às 13h00 soube que a minha menina estava a caminho. Que as contracções estavam de minuto a minuto mas ela não queria descer nem a dilatação se fazia. "Nós vamos dando notícias", era esta a promessa e o (...)
05.07.16

Tenho medo de ser Mãe

Sarah
Da primeira vez que disse isto à minha mãe a senhora ia tendo um ataque cardíaco, uma sincope e um principio de AVC. Não tem cabimento, não se entende, "nem digas isso em voz alta rapariga!". Se já me sentia mal por assim pensar, então agora, sinto-me todo um atentado como a feminilidade, as feministas, os úteros férteis que por aí andam.  À pergunta "então e porquê esse medo?" A resposta foi simples: tenho medo de não ser capaz.  O ano passado, por iniciativa já que (...)